quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

...mas livrai-nos do Mala Men!


"Adentrar no universo infantil para nós adultos é tarefa nada fácil, pois temos a tendência de olhar para esta realidade da vida com os olhos de adultos." 
(do livro psicopedagogia catequética  - criança,  de Eduardo Calandro e Jordélio Siles Ledo.)

Estava lendo esse livro, aliás acho que todo catequista deveria estudar um pouco sobre a idade com que atua na catequese, para que  monstros não sejam criados. 
Me lembrei de um fato: meu filho, hoje com quase 18 anos de idade, quando pequeno não deixava que ninguém cortasse seu cabelo. Era uma luta constante. SÓ na idade da adolescência que fui saber o porque do medo. Ele disse que o cabeleireiro dizia: "Não se  mexa, senão te corto a orelha!"
Daí, o medo, o pavor de cortar o cabelo.
E a historinha do Malamem, você conhece?


 No encontro de catequese, a catequista pediu para que os catequizandos falassem do que tinham mais medo, e perguntou:
-Mariazinha, do que você tem mais medo?
Mais medo catequista?humm, eu tenho medo de bicho papão!!!!
Mas Mariazinha, não precisa ter medo, porque bicho papão não existe...
-Paulinho, e você? do que tem mais medo?
Hummmm, eu tenho medo de assombração!!!
Mas Paulinho, não precisa ter medo, porque assombração também não existe...
- Joãozinho, e você? do que tem mais medo?
Imediatamente responde na lata: Do Mala Men!!!!!
Mala Men??? pergunta a professora.
É catequista, do Mala Men!!!
Mas Joãozinho, quem é este Mala Men que nunca ouvi falar??!!
E o Joãozinho responde: Olha, quem é eu também não sei, mas deve ser muito perigoso, porque todo dia quando minha mãe termina a oração ela fala: "Mas livrai-nos do mala Men".....

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Quero ser um catequista protagonista!

Quer????
Que bom! Pois o que mais precisamos é de catequistas protagonistas... Mas, o que vem a ser um catequista protagonista?

*Selecionei alguns significados da palavra protagonista: aquele que se destaca num processo, pessoa que desempenha o papel principal, lutador principal, ator principal, principal pessoa numa determinada ação, responsável por determinadas ações...
  
Muito bem, acho que ficou claro neh! 
Porém,  quando falo do protagonismo do catequista,   não quero dizer que ele é o mais importante. O protagonismo do catequista não está no destaque, na importância de sua pessoa. Catequista não é um título, não é um cargo, uma função, catequista é uma ATITUDE.
Ele se destaca por sua experiência/ testemunho de fé, amor e esperança.
Quer dizer que o catequista protagonista terá uma grande contribuição para o desenrolar da trama/história, do processo catequético, da Iniciação cristã de seus catequizandos.
É aquele que luta, que está pronto para assumir o desafio,  que mantém a caminhada, o processo, os encontros vivos, é um ser em ação permanente.

O catequista protagonista assume com responsabilidade seu chamado, não desiste na primeira dificuldade, não passa para frente um problema de sua turma para que o coordenador ou o padre resolva. Ele toma as rédeas, se orienta,  enfrenta.
O catequista protagonista ama o que faz e procura se qualificar cada vez mais, tem mente aberta para o novo, para possíveis mudanças.
Enfim, o catequista assume seu papel como protagonista quando de fato se descobre vocacionado. 
PORQUE atuar como ator coadjuvante, se podemos ser protagonista com AQUELE que é o protagonista por excelência: O Espírito Santo. 

"O senhor não fez alarde da sua condição divina, sendo isto uma característica de toda vocação cristã. Quem for chamado por Deus não se pavoneia, nem sente ter subido de categoria. Quem foi chamado não deve correr atrás de reconhecimento. Deve estar configurado com aquele que o chamou."
*Apontamento da formação com Pe Paulo Gil 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Mensagem do Papa Francisco para o Natal...



O Natal costuma ser sempre uma ruidosa festa; entretanto se faz necessário o silêncio, para que se consiga ouvir a voz do Amor.

Natal é você, quando se dispõe, todos os dias, a renascer e deixar que Deus penetre em sua alma.

O pinheiro de Natal é você, quando com sua força, resiste aos ventos e dificuldades da vida.

Você é a decoração de Natal, quando suas virtudes são cores que enfeitam sua vida.

Você é o sino de Natal, quando chama, congrega, reúne.

A luz de Natal é você quando com uma vida de bondade, paciência, alegria e generosidade consegue ser luz a iluminar o caminho dos outros.

Você é o anjo do Natal quando consegue entoar e cantar sua mensagem de paz, justiça e de amor.

A estrela-guia do Natal é você, quando consegue levar alguém, ao encontro do Senhor.

Você será os Reis Magos quando conseguir dar, de presente, o melhor de si, indistintamente a todos.

A música de Natal é você, quando consegue também sua harmonia interior.

O presente de Natal é você, quando consegue comportar-se como verdadeiro amigo e irmão de qualquer ser humano.

O cartão de Natal é você, quando a bondade está escrita no gesto de amor, de suas mãos.

Você será os “votos de Feliz Natal” quando perdoar, restabelecendo de novo, a paz, mesmo a custo de seu próprio sacrifício.

A ceia de Natal é você, quando sacia de pão e esperança, qualquer carente ao seu lado.

Você é a noite de Natal quando consciente, humilde, longe de ruídos e de grandes celebrações, em silêncio recebe o Salvador do Mundo.

Um muito Feliz Natal a todos que procuram assemelhar-se com esse Natal.

Papa Francisco

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Lições do presépio!

TEMPO do advento. Em muitos lugares a catequese já se encontra de férias nesse período, o que é uma pena, pois perde-se a oportunidade de inseri-los nos mistérios desse tempo forte. 
Seria oportuno que explorássemos os símbolos mais significativos como: o presépio e a coroa do advento. Papai noel, árvores, luzes (embora tenha seus significados), já são explorados por demais pelo Natal comercial. 

UHMMM! Nada contra o bom velhinho, mas ele que coloque suas barbas de molho, pois quando os catequistas estiverem inseridos no processo de Iniciação Cristã, ele não será destacado e nem feito para ser  dado como lembrança de Natal.

Muitos de nossos catequizandos não tem presépios em casa, muitos talvez não por condições financeiras, mas por não ter conhecimento do significado desse símbolo. Sendo assim, a catequese precisa ser o tempo para dar sentido às coisas. Porque não dar como lembrança ou trabalhar com eles esse símbolo tão significativo. 

Fiz esse modelinho e recomendo.  


"O Natal centraliza diante de nossos olhos uma família. O presépio, necessariamente, não é mais que três figuras: o carpinteiro José, Maria de Nazaré e o menino deitado na manjedoura. As demais figuras, todas elas, são dispensáveis. Resultam da imaginação criativa e amorosa de São Francisco de Assis. Há presépios por demais imaginativos, onde essas três principais figuras quase desaparecem. Mais favorece a distração do que a contemplação do mistério

O presépio tem o poder de enlevar e transportar para o mundo do maravilhoso e nos convencer de que Deus não nos ama só de palavras. "A palavra se fez carne e fez sua morada entre nós". Como diz um poeta: "O presépio não é para ser somente admirado mas, sobretudo, para ser rezado". Ao contemplá-lo com os olhos da fé, nascem em nós vários sentimentos.

Em cada Natal, celebramos o nascimento do filho de Deus na história e em nossas vidas. Em cada Natal, participamos desse acontecimento salvífico anunciado pêlos anjos aos humildes pastores nos campos de Belém: "Hoje, nasceu-vos um Salvador". Este "hoje" nunca se faz passado. Depois desse "alegre anúncio", ninguém poderá mais sentir-se abandonado de Deus. Do Deus-conosco.

Na companhia dos pastores, revestidos de seus sentimentos e envolvidos pela mesma luz daquela "noite feliz", aproximemo-nos do presépio onde sempre encontraremos "Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura". Festejemos o Natal unidos a essa família, trazendo-a para a intimidade dos nossos lares."

texto de Dom Eduardo koiak... LVale a pena ler na íntegra. CLIQUE NO LINK A SEGUIR: http://www.catequisar.com.br/texto/materia/bispo/12.htm


INFORMAÇÕES INTERESSANTES:



"Após as I Vésperas do I Domingo do Advento é a hora de montar a árvore de Natal, colocar a guirlanda na porta, armar o presépio, e mudar o capacho da frente de casa por um tapete com decoração natalina." (Rafael Vitola Brodbeck).

A árvore não deve ser montada toda de uma vez: o ideal é acrescentar enfeites e adereços aos poucos, durante as quatro semanas do Advento, que é, para nós católicos, tempo de preparação. 

“Durante o Natal, no Hemisfério Norte, todas as árvores perdem as folhas, com exceção do pinheiro. Por isso, a árvore se tornou símbolo da vida, celebrada no Natal com o nascimento do menino Jesus.” 

A preparação da árvore deve ser intensificada durante a última semana que antecede o Natal. “Até 16 de dezembro, tudo ainda é muito sóbrio, mesmo nas leituras feitas nas Missas do advento. É só a partir do dia 17 de dezembro que a Bíblia começa a falar do nascimento de Jesus, e se inicia um momento de maior expectativa. Esse é o momento, portanto, de intensificar a decoração da árvore.” 

A montagem do presépio, também tradicional em tempos de Natal, deve seguir a mesma linha da preparação da árvore de natal. “Aos poucos, pode-se começar a montar a gruta, colocar os animais e os pastores, mas a Virgem Maria, São José e o menino Jesus devem fazer parte do presépio apenas mais próximo da noite do Natal.” 

O presépio, enquanto “encenação”, foi uma invenção de São Francisco de Assis para lembrar a simplicidade e as dificuldades enfrentadas pela Virgem Maria e São José no nascimento de Jesus. A orientação para quem pretende seguir a tradição católica é não sofisticar os presépios com luzes e enfeites. 

“Costumamos dizer sempre também que é muito importante envolver as crianças na montagem dos presépios, e o ideal seria que eles fossem feitos nas próprias casas, pelas crianças, para que eles percebam o real sentido do natal.” 

Hora de desmontar 
Tradicionalmente, o dia de desmontar a árvore de Natal, o presépio e toda a decoração natalina é 6 de janeiro, o Dia de Reis. “É nesse dia que três magos, pessoas sábias, encontram o menino Jesus e ele é então revelado a todas as nações.” 

Advento 
Um dos grandes símbolos do Natal para a Igreja é a coroa do Advento. Formada com ramos verdes e em formato de círculo, a coroa simboliza a unidade e a perfeição, sem começo e sem fim. “A coroa representa o nascimento do rei. Em cada um dos quatro Domingos do Advento uma vela é acesa. Com a proximidade do nascimento de Jesus, a luz se torna mais intensa, e é o Natal enquanto festa da luz que celebramos.”

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Na catequese... Avaliação ou Revisão???

Melhor usar o termo "revisão" do que a tão temida"avaliação".

Estamos a cada dia aprimorando a maneira de trabalhar nossos encontros catequéticos. Aos poucos  temos aceitado e entendido que não precisamos de um quadro negro e que não podemos ter postura ou didática de um professor. Que nesse processo de amadurecimento na fé, nossos encontros devem favorecer o encontro com Jesus, de forma leve, gostosa, envolvente e profunda.

Já fiz algumas postagens sobre esse tema "avaliação na catequese", mas é assim mesmo, muitas coisas precisamos ouvir, ouvir e ouvir para que nos conscientizemos.

Gosto de fazer atividades de revisão, muito mais pra me avaliar do que propriamente avaliar meus catequizandos. Neles, quero perceber mudanças de atitudes, zelo pelas coisas de Deus e pelo próximo. Aqui, já tem um tempo que abolimos avaliação escrita ou qualquer tipo de avaliação individual. 

Depois de sete semanas, estamos terminando o tempo do querigma e para fechar fizemos uma revisão, usando do jogo da velha e também um bingo, com direito a balas e chocolates e muita folia.

Organizamos da seguinte forma:
Elaboramos várias questões com os temas trabalhados. 
Dividimos a turma em duas equipes, A e B ou 1 e 2(orientando que não são equipes rivais).
Tirado a sorte, lançamos a primeira pergunta para a equipe que deve começar. 
A equipe A se reúne, discutem entre si sobre a resposta e respondem ou escolhe alguém pra responder. Se acertarem marcam ponto.






Porém, a equipe B também discutem a mesma pergunta, pois se  a equipe A não acertar, quem responde é a equipe B.
Assim, todos memorizam e revisam todas os assuntos trabalhados.








No final ainda sobrou tempo para um bingo, com palavras chaves dos encontros... 



Com atividades assim, podemos perceber várias coisas: Aquilo que precisa ser reforçado ou até mesmo a maneira de conduzir os encontros. Se a turma sabe trabalhar em grupo. Se sabem perder ou não.

Não fizemos ainda uma avaliação com o grupo de catequistas para ver como foi no geral, particularmente falando, fiquei feliz com o resultado.  Partilho para quem desejar fazer essa experiência.

* Pois é, nenhum catequista nasce pronto, ele vai se formando...
Sou do tempo da avaliação escrita e chamada oral das orações. Me lembro que depois de "corrigir" com caneta vermelha(srrsrs), destacava no canto superior da folha: Muito bem, Jesus te ama! ou Você precisa estudar mais! E Acreditem, os que iam "mal na prova", tinha que fazer de novo. Por isso, que falei na postagem anterior que já fiz coisa que até Deus duvida. É! Vivendo e aprendendo, é perseverando que nos tornamos catequistas melhores.

Enfim, abaixo, deixo as questões que trabalhamos com nossa turma...


REVENDO – TEMPO DO QUERIGMA
1- Assim como os objetos tem a sua identidade, nós também temos a nossa. A catequese é um espaço de construção da identidade. Qual o sinal que nos identifica como cristãos?

2- “Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, pois o Reino de Deus pertence aos que se assemelham a elas?” O que Jesus quis dizer com essas palavras?

3- Como podemos conversar com Deus?

4- Vocês saberiam cantar a musiquinha do sinal da cruz?

5- Persignar-se. Na missa, em que momento traçamos as três pequenas cruzes na testa, boca e coração... Faça pra eu ver.



6- Qual a palavra (tema de um encontro)que se encaixa no início dessa frase ... ............................ é um grupo de pessoas com os mesmos interesses, que se ajudam mutuamente.

7- O pároco é a pessoa que toma conta da nossa paróquia. Qual o nome de nosso pároco?

8- Diga o nome de seus amigos do grupo adversário

9- O que é ser discípulo?

10- O que saberiam me falar sobre João Batista? Qual sua missão?

11- Qual o simbolismo da vela?

12- Qual o programa de vida de Jesus? Do lado de quem ele ficava?

13- Nossa missão é continuar aquilo que Jesus começou, é encontrar uma maneira de viver de acordo com o Evangelho, sem apegar-se aos bens desse mundo. Quais atitudes devemos ter para que o Reino de Deus aconteça entre nós?

14- *O Reino de Deus acontece entre nós quando são respeitados os direitos de cada um. Porque o Reino de Deus se difere dos Reinos do mundo?

15- Todo encontro com Jesus é profundamente transformador. Sua presença é sinal claro de que algo está para acontecer. Quando Jesus se aproxima do paralítico perto da piscina de Betesda, ele vê a situação daquele homem e faz uma pergunta a e dá uma ordem? Que pergunta e que ordem é essa?

16- Qual deve ser nosso comportamento com as pessoas que são ou estão doentes ou que são portadores de alguma deficiência?

17- *Assim como Jesus curava, a Igreja continua ao lado dos doentes para confortá-los e animá-los em sua dor. Por isso, a Igreja santifica o óleo, isto é, invoca o Espírito Santo sobre eles, com a finalidade de pedir a cura da doença para quem for ungido com esse óleo. Esse sacramento, essa unção chamamos de Unçãos dos ...............................

18- Zaqueu era rico, uma riqueza ilícita, era considerado uma pessoa impura, odiado pelas pessoas. O que Zaqueu fazia para ganhar dinheiro? 

19- Zaqueu tinha muita dificuldade para se libertar das amarras da riqueza. A presença de Jesus torna possível o que é humanamente impossível. Jesus procura o perdido para salvá-lo. Jesus passa e é acompanhado por uma multidão. Zaqueu não consegue enxergar, primeiro ele é tomado por uma curiosidade, depois seu coração é tomado por um desejo. Qual é esse desejo e o que ele faz para conseguir o que quer?

20- Jesus vai ao seu encontro e dá uma ordem para Zaqueu. Qual foi essa ordem?

21- O que significa entrar nessa casa?

22- Zaqueu foi transformado por esse encontro com Jesus e tomou uma linda atitude. Qual foi?

23- Qual foi a reação dos judeus quando vê que Jesus entra na casa de Zaqueu?