sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Ouvir para aprender


*Por Rubem Alves 

De todos os sentidos, o mais importante para a aprendizagem do amor, da vida em conjunto e da cidadania é a audição. Disse o escritor sagrado: "No princípio era o verbo". Eu acrescento: "Antes do verbo, era o silêncio".

É do silêncio que nasce o ouvir. Só posso ouvir a palavra se meus ruídos interiores forem silenciados. Só posso ouvir a verdade do outro se eu parar de tagarelar. Quem fala muito não ouve. Sabem disso os poetas, esses seres de fala mínima. Eles falam, sim - para ouvir as vozes do silêncio.

Veja esse poema de Fernando Pessoa, dirigido a um poeta: "Cessa o teu canto!/ Cessa, que, enquanto/ O ouvi, ouvia/ Uma outra voz/ Com que vindo/ Nos interstícios/ Do brando encanto/ Com que o teu canto/ Vinha até nós.// Ouvi-te e ouvi-a/ No mesmo tempo/ E diferentes/ Juntas cantar./ E a melodia/ Que não havia./ Se agora a lembro,/ Faz-me chorar". A magia do poema não está nas palavras do poeta. Está nos interstícios silenciosos que há entre as suas palavras. É nesse silêncio que se ouve a melodia que não havia. Aí a magia acontece: a melodia me faz chorar.

Não nos sentimos em casa no silêncio. Quando a conversa pára por não haver o que dizer, tratamos logo de falar qualquer coisa, para pôr um fim ao silêncio. Vez por outra tenho vontade de escrever um ensaio sobre a psicologia dos elevadores. Ali estamos, nós dois, fechados naquele cubículo. Um diante do outro. Olhamos nos olhos um do outro? Ou olhamos para o chão? Nada temos a falar. Esse silêncio é como se fosse uma ofensa. Aí falamos sobre o tempo. Mas nós dois bem sabemos que se trata de uma farsa para encher o tempo até que o elevador pare. 

Os orientais entendem melhor do que nós. Se não me engano, o nome do filme em que vi esta cena é "Aconteceu em Tóquio". Duas velhinhas se visitavam. Por horas ficavam juntas, sem dizer uma ún ica palavra. Nada diziam porque no seu silêncio morava um mundo. Faziam silêncio não por não ter nada a dizer, mas porque o que tinham a dizer não cabia em palavras. A filosofia ocidental é obcecada pela questão do ser. A filosofia oriental, pela questão do vazio, do nada. É no vazio da jarra que se colocam flores. 

O aprendizado do ouvir não se encontra em nossos currículos. A prática educativa tradicional se inicia com a palavra do professor. A menininha, Andréa, voltava do seu primeiro dia na creche. "Como é a professora?", sua mãe lhe perguntou. Ao que ela respondeu: "Ela grita...". Não bastava que a professora falasse. Ela gritava. Não me lembro de que minha primeira professora, dona Clotilde, tivesse jamais gritado. 

Mas me lembro dos gritos esganiçados que vinham da sala ao lado. Um único grito enche o espaço de medo. Na escola, a violência começa com estupros verbais. 

Milan Kundera conta a estória de Tamina, uma garçonete: "Todo mundo gosta de Tamina. Porque ela sabe ouvir o que lhe contam. Mas será que ela ouve mesmo? Não sei... O que conta é que ela não interrompe a fala. Vocês sabem o que acontece quando duas pessoas falam. Uma fala e outra lhe corta a palavra -"É exatamente como eu, eu...'- e começa a falar de si, até que a primeira consiga, por sua vez, cortar -"É exatamente como eu, eu...". 

Essa frase parece ser uma maneira de continuar a reflexão do outro, mas é um engodo. É uma revolta brutal contra uma violência brutal: um esforço para libertar o nosso ouvido da escravidão e ocupar, à força, o ouvido do adversário. Pois toda a vida do homem entre os seus semelhantes nada mais é do que um combate para se apossar do ouvido do outro". 

Será que era isso o que acontecia na escola tradicional? O professor se apossando do ouvido do aluno (pois não é essa a sua missão?), penetrando-o com a sua fala fálica e estuprando-o com a força da autoridade e a ameaça de castigos, sem se dar conta de que no ouvido silencioso do aluno há uma melodia que se toca. Talvez seja essa a razão por que há tantos cursos de oratória, procurados por políticos e executivos, mas não de "escutarória". Todo mundo quer falar. Ninguém quer ouvir. 

Todo mundo quer ser escutado. (Como não há quem os escute, os adultos procuram um psicanalista, profissional pago do escutar.) Toda criança também quer ser escutada. Encontrei, na revista pedagógica italiana "Cem Mondialità" a sugestão de que, antes de iniciarem as atividades de ensino e aprendizagem, os professores se dedicassem por semanas, talvez meses, a simplesmente ouvir as crianças. No silêncio das crianças, há um programa de vida: sonhos. É dos sonhos que nasce a inteligência. A inteligência é a ferramenta que o corpo usa para transformar os seus sonhos em realidade. É preciso escutar as crianças para que a sua inteligência desabroche. 

Sugiro então aos professores que, ao lado da sua justa preocupação com o falar claro, tenham também uma preocupação com o escutar claro. Amamos não a pessoa que fala bonito, mas a pessoa que escuta bonito. A escuta bonita é um bom colo para uma criança se assentar... 

Rubem Alves, 71, que um menininho descreveu como "um homem que gosta de ipês amarelos", e um outro, como "um velhinho que conta estórias", relê bem devagar o "Livro do Desassossego", de Bernardo Soares (Fernando Pessoa), uma obra que nunca se termina de ler.

São Paulo, terça-feira, 21 de dezembro de 2004 

Folha Sinapse

www.rubemalves.com.br

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Catequese com adultos



1- Objetivo a alcançar

O grande objetivo da mobilização nacional em prol da Catequese com Adultos (anos 2000-2001), foi que todos os nossos pastores, agentes pastorais, responsáveis pela educação da fé dos adultos em nossas comunidades, movimentos, paróquias, dioceses e regionais, desencadeassem uma ampla reflexão sobre a prioridade da Catequese com Adultos, acompanhada de decisões e de iniciativas práticas. Isso obviamente precisa ser continuado.

Já há decisões sobre isso, tomadas pelo episcopado brasileiro, e já faz tempo, 20 anos, - em 1983 -, mas que até agora não foram levadas suficientemente em conta. Comento brevemente o qur nossos bispos nos dizem no Documento Catequese Renovada, no parágrafo 130, texto que, aliás, foi muito divulgado em 2001:

1.1- "É na direção dos adultos que a Evangelização e a Catequese devem orientar seus melhores agentes. São os adultos os que assumem mais diretamente, na sociedade e na Igreja, as instâncias decisórias e mais favorecem ou dificultam a vida comunitária, a justiça e a fraternidade.

Não podemos evidentemente, diminuir em nada a importância e a melhoria da catequese com crianças e jovens. Mas precisamos nos convencer, de uma vez por todas, de que tudo na Igreja e na sociedade depende dos adultos. Quem toma as decisões e, na prática, as faz acontecer são os adultos. Nossos bispos têm toda a razão em afirmar que são os adultos os que, na verdade, mais favorecem ou dificultam a vida comunitária, a justiça e a fraternidade.

O mundos da política, da arte, da comunicação é conduzido e alimentado pelos adultos, homens e mulheres, estas, ainda bem, cada vez mais presentes em instâncias antes ocupadas prepoderantemente pelos homens. O que vem na atualidade é a imensa quantidade de adultos sem ética, dominados pela corrupção, por interesses particulares ou corporativos escusos, marcando o destino da população, especialmente das crianças e jovens, envenenados por contra-valores e pseudovalores apresentados como a grande proposta para se afirmar na sociedade. A hipnose coletiva, produzida pela ideologia sem ética, dominante hoje, é tão avassaladora e poderosa que é diminuto o número dos que, corajosamente, se posicionam criticamente a respeito desta deslavada situação de apodrecimento moral e social.

Como investir em educação e catequese de crianças e jovens, se o eu vive e faz o mundo dos adultos, é frontalmente contra os valores humanísticos e, mais ainda, contra os valores evangélicos? A CNBB, já em 1983, decide: "É na direção dos adultos que a Evangelização e a Catequese devem orientar seus melhores agentes". Mas, será isso o que está acontecendo em nossas Dioceses, em nossas Paróquias, nas CEBs, nos Movimentos, nos Grupos? O que vamos fazer agora para colocar isto em prática?

1.2- E nosso pastores, naquela época, detectavam três falhas graves na maneira como os adultos católicos viviam a fé cristã. "Urge que os adultos façam uma opção mais decisiva e coerente pelo Senhor e sua causa, ultrpassando a fé individualista, intimista e desencarnada". Comentemos um pouco este diagnóstico. Se4r´q eu algo dele ainda persiste hoje, vinte anos depois?

a) fé individualista. Trata-se de uma perigosa dimensão da religiosidade, isto é, a busca das forças transcendentes e da religião para atender a interesses individuais, sobretudo de índole material. Quem assim se comporta facilmente procura manipular Deus e todas as forças religiosas.

Analisando a prática dos fiéis, detectou-se que o devocionismo estava carregado de busca de milagroso, do extraordinário, do esotérico, da manipulação dos santos em favor de saúde, emprego, dinheiro, sucesso... Em geral os fiéis estavam sem bases bíblicas, doutrinais, litúrgicas, indo aos templos, particularmente santuários, e usando imagens e santinhos visando acima de tudo bens materiais. Havia uma perigosa ausência de referenciais bíblicos e teológicos corretos e não havia demonstração de esforço de conversão, de se colocar Deus e sua glória em primeiro lugar.

E havia também um começo de outra faceta do individualismo entre os católicos: a busca de Deus par satisfação afetiva, emocional, catártica. E ainda havia um bom número dos que tinham seu catolicismo sem precisar da comunidade. Evidentemente que este tipo de fé individualista não conduzia a melhora alguma nas relações humanas em casa, na sociedade, e a nenhum compromisso com a comunidade eclesial, nenhum compromisso com a justiça social.

É bom nos questionarmos em que pé está este ranço individualista entre nós cristãos católicos e o que estamos fazendo para superá-lo. Ora, isso tem de aparecer na catequese, principalmente com adultos. E é interessante, e isso tenho realizado, colocá-los a trabalhar este texto da CNBB. Dá margem a muita horas de reflexão e oração...

b) fé intimista. Retomo aqui um aspecto individualismo, que acima aventei. Constatava-se, naqueles idos de 1983, uma forte tendência a um uso da religião como tentativa de satisfação afetiva pessoal, de catarse psicológica coletiva, auto-ajuda. Reduzia-se Jesus, o Espírito Santo, Nossa Senhora, os Santos, a função de empregadinhos da necessidades íntimas das pessoas, trazendo o que se denominava, então, paz interior, alegria, entusiasmo contagiante, sensação de esta andando nas nuvens, repouso...

O importante na fé intimista está, acima de tudo, em "sentir-se bem", na compreensão de que a religião existe para isso: cura interior, satisfação íntima. Qualquer exigência em termos de caridade, solidariedade, compromisso, virada política segundo os valores do Evangelho, entre os quais a prioridade dos pobres... Não era aceita, já que levava a uma certa problematização interior, misturava política com fé.

O que responderíamos a esta questão da "fé intimista" hoje?

c) fé desencarnada. A fé individualista e intimista obviamente é desencarnada. Os bispos denunciaram, então, o grave perigo de um cristianismo fechado ao mundo, sem o profetismo social, aliado à ideologia militar da época e ao neoliberalismo-de-mercado, desarticuladores das iniciativas populares em prol da justiça e da solidariedade. E é bom lembrar aqui que naquela época levantavam-se duras calúnias á Teologia da Libertação, às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), à Opção Preferencial pelos Pobres, a Líderes proféticos, o que foi gerando sérios conflitos até mesmo nas fileiras do episcopado.

Cabe aqui também a pergunta: "Como está em nossa Igreja, hoje, esta" fé desencarnada?"

Passaram-se trinta anos. Há pouco tempo, em sua Carta Apostólica Novo Millennio Ineunte, de Janeiro 2001, o Papa foi contudente a respeito destas falhas bastante comuns entre os fiéis adultos católicos, ao afirmar: "Deve-se rejeitar a tentação de uma espiritualidade intimista e individualista, que dificilmente se coaduna com as exigências da caridade, com a lógica da encarnação e, em última análise, com a propría tensão escatológica do cristianismo" (NMI, 52). E o Papa alude ao Concílio: "A mensagem cristã - diz o Concílio na Gaudium et Spes, 34 - não desvia os homens da construção do mundo, nem os leva a negligenciar o bem de seus semelhantes, mas antes os abriga mais estritamente, por dever, a realizar tais coisas".

d) E quanto às influências dos adultos na fé tanto na Igreja como na sociedade, escreviam os bispos em 1983: "Os adultos, num processo de aprofundamento e vivência da fé em comunidade, criarão, sem dúvida fundamentais condições para a educação da fé das crianças e dos jovens, na família, na escola, nos Meios de Comunicação e na própria comunidade eclesial".

É este o sonho acalentado pela CNBB: leigos/as na fé assumindo com garra e competência a missão que lhes cabe na família, na própria Igreja e em todas as instâncias da sociedade. Mas é um sonho de toda a Igreja. E, em coerência, era preciso, porém, colcoar os adultos católicos, decididamente, num "processo de aprofundamento e vivência da fé em comunidade", o que até agora não aconteceu. A mobilização pela prioridade da Catequese com Adultos veio ajudar a levantar esta causa, que esperamos seja, de fato, de toda a Igreja, e que seja levada à prática.

2- Quanto à metodologia

Na maior parte das vezes, quando se convida um assessor para catequese, o que mais dele se espera é orientações sobre didática, até mesmo, "receitinhas mágicas" para uma "boa aula de catequese" e, também, "aulas" já preparadas, prêt-à porter, "que dêem o menor trabalho possível ao catequista e tenham ótimo resultado", muitas dinâmicas de grupos, historinhas, encenações, etc. é compreensível que isto aconteça, mas é fundamental, sem em nada desprezar a importância dos subsídios didáticos, ir sempre ao essencial, ao mais importante: impulsionar, com vigor, passos existenciais no caminho da maturidade cristã, que vão além destas receitas.

Primeiro é preciso, em catequese, assim como nos Seminários e Faculdades de Teologia, Casa de Formação, ultrapassar o referencial escola: aulas, planos de aulas, catequista visto como professor, catequizando visto como aluno de catequese, subsídio catequético tratado como livro didático de uma disciplina escolar, estilo de contato como sendo de professor-aluno... E quando este referencial se torna necessário, é preciso redimensioná-lo dentro das características da catequese, que age a partir da fé e dentro de um contexto de experiência de fé, de celebração da fé, de convivência entre irmãos não caminhada da fé. Este "estilo" dá o específico do encontro de Catequese.

Irmão Nery FSC

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Pequenos gestos, grandes lições!

O Natal e seus ruídos externos, com suas tantas luzes,  acabam por ofuscar a LUZ principal. Na catequese, nadamos contra a maré do Natal comercial.

Como estamos formando os futuros cristãos no que diz respeito ao mistério da encarnação?

Inúmeros textos, reflexões, mensagens bonitas, com palavras profundas, tudo tentando nos colocar dentro do mistério desse tempo. Para que isso aconteça, precisamos contar com catequistas, pastores mistagogos. Não basta falar sobre o Natal e seus significados, se isso não provoca mudanças de atitudes. Como catequista, nada mais gratificante, emocionante do que VER o testemunho de crianças que estão no processo de amadurecimento da fé, mostrando com suas atitudes, em pequenos gestos, que Jesus habita em seus corações. Com certeza entenderam que não se pode celebrar o Natal, fechado no egoísmo, cego às necessidades do  próximo. Se tantas palavras bonitas se transformassem em AÇÃO,  seria Natal todo dia!

Graças as ferramentas que tecnologia  oferece, posso saber o que acontece lá numa pequena aldeia em Portugal,  num encontro de catequese, numa confraternização de Natal com os catequizandos. Tomei a liberdade de escrever sobre o testemunho da Idalina, partilhado nas redes sociais/facebook. Ela é catequista de Azoia, uma aldeia nos arredores de Leiria-Fátima/Portugal. Quando li o relato dessa catequista, fiquei imaginando o aperto pelo qual passou ao perceber que uma criança ficaria sem o agrado de Natal. Fiquei feliz, emocionada com o desfecho, com a atitude dessas duas crianças, que fizeram o Natal acontecer diante dos olhos de todos. Poderiam ter se fechado ao egoísmo, mas não, sentiram compaixão, sofrendo com a catequista e com a criança que ficaria sem o seu saquinho. Isso pra mim é Natal.



A Idalina disse bem: "o gesto altruísta destas duas crianças aqueceu-me o coração e mostraram-me um dos motivos que me faz "aqui andar". Meu coração cá ficou aquecido também e te digo mais, é por essa e por outras que "aqui continuo a andar"


Nesse mundão tomado pelo consumismo, pelo egoísmo, que possamos aprender com nossas crianças... Com certeza, o que foi trabalhado em seus encontros de catequese, essas crianças demonstraram em atitudes... Parabéns! Pequenos gestos, grandes lições!

Beijo grande Carolina, Maria. Quem dera tivéssemos muitas Marias, muitas Carolinas espalhados pelos cantos do nosso mundo! Quem dera! Nosso mundo seria muito melhor!

Um santo Natal à todos os catequistas espalhados por esse mundão!
Nossa missão: fazer Cristo conhecido, amado, seguido!
Imaculada Cintra...


Testemunho da Idalina

"Festa de Natal com a catequese. Depois da apresentação do meu grupo pedi-lhes que se mantivessem juntos para lhes entregar uma pequena "prenda de Natal". Tinha feito 14 saquinhos que fui entregando, mas para minha surpresa, quando cheguei à 14.ª criança... não havia mais sacos!!.

Como era possível se eu os tinha contado! e agora o que fazer? Podia ter-me lembrado que no transporte o saco que continha os saquinhos tinha-se tombado na mala do carro e que o 14.º saquinho poderia ter ali ficado - como mais tarde verifiquei. Mas com todo o stress que normalmente acompanha a Festa de Natal, não me lembrei e só via os olhinhos tristes da 14ª. criança! 

Foi quando uma das crianças me estende o saquinho dela, ainda por abrir e me diz "dá-lhe o meu que eu partilho o da minha irmã" - tem uma irmã gémea no grupo. E atrás de mim estava já outra menina a estender-me o saquinho dela e a dizer o mesmo - "toma, dá-lhe o meu". Aceitei o da "gémea" com a promessa que depois lhe daria outro. 

Fiquei incomodada com esta situação e mais ainda quando horas mais tarde encontrei o saquinho perdido na mala do carro, coisa que na altura me podia ter lembrado! Mas, por outro lado penso que até foi bom que tivesse acontecido: o gesto altruísta destas duas crianças aqueceu-me o coração e mostraram-me um dos motivos que me faz "aqui andar". Obrigado Carolina! Obrigado Maria!


Feliz Natal!

Idalina Gaspar

Catequese de azoia


terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Cursos de janeiro da UNISAL, oportunidade de formação!

Olá queridos catequistas,
Em janeiro de 2014, iniciei o curso de Metodologia catequética na Unisal.
Na época, partilhei alguma coisa e percebi que muitos catequistas desconheciam tais cursos. Em 2015, concluirei o CMC(curso Metodologia Catequética). 
Mesmo  em cima da hora, disponibilizo aqui para quem tiver interesse.
Se não der pra começar em 2015, se programe para 2016.

Peça pra sua diocese, pra sua paróquia investir em sua formação!
Para conhecer os cursos, clique em cima de curso que queira saber e será direcionado ao link com todas as informações.

METODOLOGIA CATEQUÉTICA 
Módulo I (anos ímpares) 
A catequese no processo de evangelização
Documentos eclesiais sobre catequese
Bíblia e Catequese 
Catecismo da Igreja Católica e inculturação 
Metodologia Catequética I: geral 
Metodologia Catequética II: adultos 
Metodologia Catequética IV: adolescentes, pré-adolescentes e crianças
Metodologia Catequética V: catequese e atividades lúdicas 

Módulo II (anos pares) 
Catequese e moral 
Metodologia Catequética III: jovens (PJ)
Catequese e situações especiais Catequese e 
liturgia Catequese na Igreja local 
História da Catequese 
Diretório Nacional de Catequese 
  


A Unidade São Paulo / Campus Pio XI do UNISAL está com as inscrições para os Cursos de Janeiro 2015.



quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Qual a maior festa do cristianismo?

Ao contrário do que muitos pensam, a maior festa cristã não é o Natal, mas a Páscoa do Senhor. É no tríduo Pascal que se celebram os mistérios de Cristo que são o fundamento de toda nossa fé. A ressurreição do Senhor é a grande prova da verdade de tudo o que ele ensinou e fez. Como diz o apóstolo Paulo, se Cristo não tivesse ressuscitado, vazias seriam nossa pregação e nossa fé (cf. 1Cor 15,14)
Fonte: Livro A fé cristã para catequistas - Pe Leomar Brustolim - Paulinas